Qualifica SUS encerra capacitação em Amaturá

Aula prática em campo com identificação e procedimentos em relação a criadouros e apresentação de fluxograma de trabalho marcaram o encerramento do último dia do curso de atualização e capacitação dos Agentes Comunitários de Endemias e de Saúde, ministrado pela facilitadora Klicia Martiniano Remígio do Projeto Qualifica SUS nesta quinta-feira (05/12) com apoio da Prefeitura Municipal, administração Joaquim Corado. Durante quatro dias, 30 agentes comunitários receberam aulas teóricas e práticas na prevenção de doenças provocadas pelos mosquitos transmissores de malária, dengue, Zika e Chikungunya, bem como outras doenças. Um dos objetivos do curso é a integração entre a Vigilância em Saúde e a Atenção Básica no compartilhamento das informações.
O curso é uma parceria firmada entre o Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems) e o Instituto Leônidas & Maria Deane da Fundação Oswaldo Cruz, fruto de uma emenda parlamentar do senador Omar Aziz.
Pela manhã os agentes de Endemias e de Saúde acompanharam a facilitadora Klicia Martiniano na área onde funcionou o hotel de propriedade do falecido ex-prefeito Luiz Pereira. No local existe uma piscina e um açude, áreas propícias para a proliferação dos mosquitos. Eles tiveram aula prática de identificação e captura de larvas. Depois fizeram visitas em alguns domicílios para detectar possíveis criadouros e prática de prevenção.
Klicia Martiniano avaliou como positiva a participação dos agentes no curso. “Todos os dias víamos o empenho deles, o esforço em aprender mais, em capacitar mais e mesmo tirando suas dúvidas. Conseguimos ter essa troca porque uma das nossas intenções é ter essa troca de informações do teórico com o prático, eles que estão no dia a dia”, observou.
Para a facilitadora a cidade de Amaturá possui muitos criadouros, campo fértil para a proliferação dos mosquitos transmissores de doenças. Na avaliação de Klicia, o trabalho desenvolvido pelos agentes por meio de bloqueios e prevenção faz a diferença em Amaturá, que não registra casos de malária, dengue, Zika e Chikungunya nos últimos anos.
“Se eles não trabalhassem com essa prevenção, vocês teriam doenças. A vizinhança toda de vocês é infectada, é infestada e a gente não vê na cidade. A gente vê o ambiente propício, mas o trabalho a gente consegue ver que ele é feito”, afirmou.
Para o agente de Endemias Elvis Izidoro Ferreira o curso proporcionou aos agentes novos conhecimentos e práticas para o dia a dia. Ele destacou o fato de o curso ter proporcionado aos agentes a elaboração de fluxograma nas atividades diária e uma interação entre os agentes de Endemias e Saúde, com a troca de informações.  (Fotos: Eduardo Gomes)

Fonte: Assessoria de Comunicação