Amaturá dá mais um passo para implantar primeiro Acordo de Pesca

A Prefeitura Municipal de Amaturá deu mais um passo para implantar o primeiro Acordo de Pesca no município na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Caturiá. Neste 1º. de maio, técnicos da Secretaria do Estado do Meio Ambiente (SEMA), da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Amaturá e moradores de Caturiá I, II e III estiveram reunidos na sede da Prefeitura. O encontro contou com a presença do prefeito Joaquim Corado que destacou a importância do Acordo de Pesca em benefício da própria comunidade, com a preservação e pesca sustentável nos quatro lagos existentes na região.
Durante seis horas os técnicos da Sema, Abrham Benayon da Coordenação do Programa de Agente Ambiental Voluntário e Larissa França, assessora técnica do Núcleo de Pesca, secretário municipal interino do Meio Ambiente Adnilson Cumapa Pereira discutiram com parte dos moradores das três comunidades, aspectos sobre a implantação do Acordo de Pesca para o manejo do pirarucu e jacaré, bem como a proposta de capacitação para Agente Ambiental Voluntário.
A reunião foi aberta pelo prefeito Joaquim Corado que destacou a importância da criação da RDS do Caturiá. “É importantíssimo esse acordo de pesca”, frisou o prefeito. “Essa organização é para que vocês vivam melhor”, assinalou.
A RDS de Caturiá possui 7.849 hectares e está localizada a 47 km da sede municipal. Inicialmente a Comunidade era um só aglomerado de moradores. Ao longo do tempo foi desmembrada em três comunidades, CaturiáI, II e III, totalizando 41 famílias.
Segundo Joaquim Corado, o Plano de Manejo do pirarucu foi aprovado em outubro do ano passado abrangendo quatro lagos. São dois lagos para a manutenção, um lago para a procriação e um para a exploração comercial.
De acordo com levantamento realizado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente em 2018, a região abriga 100 espécimes de aves, 33 espécimes de mamíferos, 38 espécimes de répteis, seis de anfíbios e 70 espécimes de peixes dentre eles os de maior valor comercial como o pirarucu e tambaqui.
Das três comunidades, a Caturiá I liderada por Henrique das Neves Silva já cumpriu todas as etapas, incluindo a contagem de pirarucu. Por conta dela o Ibama aprovou o plano de manejo autorizando a despesca de três toneladas já neste ano.